segunda-feira, 5 de outubro de 2020

O passo do passe




 A Escola Brasileira de Psicanálise, sessão Rio, realiza o Seminário de Orientação Lacaniana dialogando a respeito do passe: qual a sua função, quais são seus efeitos e o qual a importância deste para a Escola e a psicanálise. Para conferir o conteúdo, clique no link abaixo:


https://www.youtube.com/watch?v=5vZYC4vpL78&feature=youtu.be


terça-feira, 18 de agosto de 2020

Seminário Prática da Angústia



A Escola Brasileira de Psicanálise sessão Rio de Janeiro promove, no mês de agosto, o Seminário Clínico Prática da Angustia, coordenado pelos membros Marcus André Vieira e Romildo do Rego Barros. Para falar sobre o tema, foi escolhido o capítulo 12 do seminário 10 de Lacan A Angústia. Nesse primeiro momento, os coordenadores conversam acerca da diferenciação entre medo e angustia. Confira esse momento através do link abaixo:

 

domingo, 19 de julho de 2020

Um corpo de mulher








Heloísa Caldas, membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP) realizou uma conferência discorrendo acerca do corpo da mulher: a partir de que este se constitui para Freud e para Lacan, além de seus possíveis efeitos no feminino e no masculino. Confira o conteúdo na Rádio Lacan, no episódio 11 da série Radio Lacan no VII ENAPOL:

                http://www.radiolacan.com/pt/topic/602/3

domingo, 5 de julho de 2020

Neurose obsessiva no feminino

Freud, ao desenvolver os conceitos psicanalíticos definiu três estruturas clínicas: a neurose, a psicose e a perversão. A neurose, por sua vez, pode se desenvolver na forma de histeria ou na forma de neurose obsessiva. Freud iniciou se trabalho realizando escuta com mulheres e, dessa escuta, publicou o livro Estudos Sobre a Histeria (1893-1895), o qual vai descrever diversos casos de histeria e todos os casos descritos no livro são de mulheres. Para desenvolver seu conceito de neurose obsessiva, o caso clássico de Freud foi o homem dos ratos, publicado como Notas sobre um caso de neurose obsessiva (1909) que se tratava de um homem que apresentava características da neurose referida. Contudo, a psicanálise não atribui a histeria às mulheres nem a neurose obsessiva aos homens. Elisa Alvarenga colabora com essa diferenciação ao escrever o livro A neurose obsessiva no feminino (2019) onde comenta casos publicados por Freud e outros autores de mulheres que apresentavam a neurose obsessiva como estrutura. Na presente conferência Elisa apresenta seu livro e como essa estrutura se configura no feminino.


  

domingo, 14 de junho de 2020

Como funciona o cartel?

O cartel foi estabelecido por Lacan como unidade básica de trabalho após a fundação de sua escola em 1964. Desde essa data, o cartel tem sido a base de funcionamento das Escolas Lacanianas. A descrição de como funcionaria o cartel foi estabelecida no texto chamado "Ato de fundação" encontrado em seu Seminário Outros Escritos. Esse mês, a Escola Brasileira de Psicanálise promoveu uma mesa redonda com Clara Holguin (NEL/AMP) e Maria Josefina Fuentes (EBP/AMP) coordenada por Noemí Brown (EBP/AMP) para falar a respeito dos trabalhos em carteis e de suas características de funcionamento. Quer saber mais sobre o tema? Confira a transmissão através do link abaixo:



               https://www.youtube.com/watch?v=VW3XomeiW-0

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Considerações acerca do método psicanalítico


         Maio é uma data muito especial para a psicanálise. Foi em 06 de maio que Sigmund Freud nasceu. De acordo com o texto Cinco lições de psicanálise (FREUD,1910), a técnica da psicanálise surgiu da experiência de Freud em escutar mulheres que apresentavam manifestações histéricas e, a partir desse processo, Sigmund consegue extrair mecanismos de funcionamento do aparelho psíquico bem como pensar em um método para trazer a tona algo particular do sujeito que, por algum motivo, a sua consciência decide velar. Existe algo a ser expresso pelo sujeito, mas que seus mecanismos psíquicos tentam esconder. Por esse motivo é necessário pensar no que fazer para facilitar a revelação do que se oculta.
         Freud inaugura com a escuta das histéricas o método de associação livre, detalhado em seu texto sobre O início do tratamento (FREUD,1913). Como todo método, sua prática é baseada em princípios que necessitam de estudo, dedicação e análise do material inconsciente apresentado durante as sessões.  Segundo o texto Uma breve descrição sobre a psicanálise (FREUD,1923) é assim que o analista consegue manejar os fenômenos do inconsciente como os atos falhos, sonhos, esquecimentos e negação que os sujeitos que procuram a análise o apresentam e é através da relação transferencial que o sujeito pode ir além das resistências construindo saberes desconhecidos sobre seus sintomas.
         Freud demonstrou em seu texto O interesse científico da psicanálise (FREUD, 1913) que a psicanálise tem seu próprio método que se baseia em experiências clínicas, as quais sustentam todos os seus escritos e que configuram seu manejo durante a sessão. É dessa forma que, para Forbes, em O que é a psicanálise de orientação lacaniana? (FORBES, 2000), a psicanálise tem caminhando: mantendo seu discurso de acordo com as implicações subjetivas que cada época impõe ao sujeito em questão.  
          Se hoje temos critérios quanto à forma de utilização e manejo da psicanálise, devemos isso a Freud que argumentava sobre a importância dos processos psíquicos da ordem do inconsciente e dos cuidados os quais quem se propõe a analisa-los deve ter. A psicanálise de orientação lacaniana segue essa linha. Para Jorge Forbes, em seu seminário sobre O que é a psicanálise de orientação lacaniana? (FORBES, 2000) Essa linha de direcionamento da psicanálise tenta manter as orientações fundamentais de Freud quanto ao método e avançar com a aplicação da psicanálise diante das mudanças contemporâneas na sociedade, na família, no trabalho ou em qualquer outra área que impacte psiquicamente o sujeito que procura uma análise, mantendo, portanto, o método atual e com efeitos significativos na época em que vivemos. 

Referências:
Forbes, J; Leite, M. P. S. O que é psicanálise de orientação lacaniana? São Paulo: USP-Oficina, 2000. Disponível em: <http://www.jorgeforbes.com.br/br/jorge-forbes/seminarios/psicanalise-orientacao-lacaniana-2000.html>. Acesso em: 15.05.2020.
Freud, S. (1913) Cinco lições de psicanálise. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, pp. 04-36. (Edição Standard Brasileira, Vol. XI).
Freud, S. (1913) Sobre o início do tratamento (Novas recomendações sobre a técnica da psicanálise I). Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, pp. 161-187. (Edição Standard Brasileira, Vol. XII).
Freud, S. (1913) O interesse científico da psicanálise (Novas recomendações sobre a técnica da psicanálise I). Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago. (Edição Standard Brasileira, Vol. XIII).
Freud, S. (1923) Uma breve descrição sobre a psicanálise. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976, pp. 111-125. (Edição Standard Brasileira, Vol. XIX).  

domingo, 3 de novembro de 2019

Atividade do mês de novembro


Novembro começa e o Cepp abre espaço para conversarmos a respeito dos sonhos e suas consequências na prática Lacanina. A atividade é insenta de pagamento e terá dois encontros, o primeiro no dia 06.11 (quarta-feira) e o segundo no dia 20.11 (também quarta-feira) no horário das 19:30 em nossa sede localizada na rua Veterinário Bogyja 1229, em frente a lanchonete saindo do forno. Para mais informação, comente no post suas dúvidas.